Religiões afro em busca de representação política

Representantes de religiões de matriz africana se unem em busca de cadeiras no parlamento

Ainda que o Estado seja laico, líderes religiosos estão muito presentes no poder legislativo brasileiro. Os evangélicos conquistaram este espaço há tempo, tendo inclusive partidos políticos inteiros dedicados à causa das igrejas protestantes. Agora, os íderes das religiões de matriz africana, o candomblé e a umbanda, querem reunir os terreiros do Distrito Federal para eleger deputados distritais e federais. A aposta é no grande número de seguidores e simpatizantes.
Quem lidera este movimento é o guaraense Kleyson Moreno, fundador da Força Afro Brasil. “Os nossos irmãos de fé precisam assumir a religião, como forma de desdemonizá-la, uma vez que essa ideia foi implantada e arraigada no seio da sociedade, com o objetivo de punir e discriminar o nosso povo, impedindo de exercer a sua ancestralidade através desse importante legado” explica. O líder é pré-candidato à Câmara Legislativa e tem realizado encontros com lideranças, praticantes e simpatizantes das religiões de matriz africana.
A Força Afro Brasil
A Associação Cultural e Educacional Força Afro Brasil, denominada Força Afro Brasil, foi fundada em 2016 por meio da vontade e necessidade de praticantes das religiões de matriz africana, se mobilizarem para fazerem valer os direitos assegurados pela constituição, em especial, o reconhecimento e o respeito como qualquer outra religião tem.
O lema da Força Afro Brasil é “O nosso trabalho é a solidariedade”. Idealizada por praticantes da Umbanda e do Candomblé, a entidade beneficente, desenvolve projetos sociais e culturais voltados para os terreiros, centros e templos, bem como para as suas comunidades e os adeptos das religiões.
A Força Afro Brasil, prega a união, a paz e a harmonia entre os praticantes da religião, a fim de conquistar o respeito merecido, tendo em vista que muitos episódios de violência, preconceito e intolerância religiosa, tem
A cultura dos Afrodescendentes, o respeito ao negro e a sua influência no país e o combate à intolerância religiosa, são bandeiras defendidas pela entidade, que respeita a diversidade de doutrinas religiosas, as diferenças referentes ao pensamento, a liberdade de expressão, a diversidade de orientação sexual.
Atuando no Distrito Federal e nas cidades do Entorno de Brasília.