Ações em Águas Claras recolheram 39 carcaças

Série de operações de limpeza, como o Cidades Limpas, ao longo do ano e desocupações contribuíram com diminuição dos focos de proliferação dos mosquitos

O programa Cidades Limpas, coordenado pelo secretário de Cidades Marcos Dantas, é um dos responsáveis pela redução dos casos de dengue

Com risco de esconder criminosos e servir de criatório para larvas do mosquito Aedes aegypti, os carros abandonados nas vias públicas, muitas vezes já em estado avançado de degradação, têm gerado transtornos à população. Somente em Águas Claras, durante a passagem do Programa Cidades Limpas, em agosto deste ano, foram retiradas 39 carcaças. Em todo o Distrito Federal, a força-tarefa do Governo do Distrito Federal recolheu 250 sucatas em um ano de atividades.
Responsável pelo programa, a Secretaria das Cidades atua juntamente com as administrações regionais, o Departamento de Trânsito (Detran-DF) e a Companhia Urbanizadora da Nova Capital do Brasil (Novacap) para notificar os responsáveis e recolher as carcaças.
“Imagine o que é uma cidade como Águas Claras com essa quantidade de carros abandonados. Isso incomoda muito a população, além de ser uma questão ligada à segurança e à saúde. O nosso trabalho é para evitar prejuízos e riscos aos moradores”, destaca o secretário Marcos Dantas.
De acordo com a Secretaria das Cidades, foram feitas cerca de 191 notificações, mas, geralmente, antes da remoção, muitos donos acabam levando o veículo para um estacionamento regular. Atualmente, a legislação de trânsito só permite a remoção de sucatas ou veículos estacionados em vaga irregular.
Mais de 2,4 mil faixas recolhidas das ruas
Durante a passagem por Águas Claras, o Cidades Limpas recolheu ainda 2.435 faixas colocadas irregularmente nos canteiros da região. O material foi para o depósito da Agência de Fiscalização (Agefis), que atua constantemente em parceria com as administrações. Os moradores que identificarem faixas podem entrar em contato com a Ouvidoria da administração pelo 3383-8941.
Quem for identificado como responsável por esses materiais pode ser multado. Diariamente, a Agefis faz a fiscalização para combater esse tipo de irregularidade, a partir de denúncias ou programação fiscal. A empresa ou cidadão que fixar esse tipo de propaganda em locais públicos fica suscetível a multas, que variam de R$ 505,73 a R$ 1.517,28.
Somente neste ano, foram apreendidas mais de 43,5 mil faixas promocionais, o equivalente a R$ 1,8 milhão em multas. No ano passado, 35 mil faixas foram recolhidas e foi arrecado R$ 1.2 milhão em multas.
No período de um ano do Cidades Limpas, as equipes visitaram 83,5

mil imóveis orientando e conversando com a população, especialmente sobre a prevenção à dengue. A força-tarefa teve grande apoio na redução dos casos prováveis de dengue de 17.490, de janeiro a outubro de 2016, para 3.945 no mesmo período deste ano. Os números são do Boletim Epidemiológico da Secretaria de Saúde.
Também foram removidas 93,1 toneladas de entulhos, podadas 16,1 mil árvores, realizadas a manutenção, substituição e reparo em 2,4 mil pontos de rede elétrica e emitidas 747 carteiras de identidade.
Como parte da prevenção às consequências das fortes chuvas, o Cidades Limpas desobstruiu 3 mil bocas de lobo e fez a limpeza das redes de águas pluviais. Somando as cidades visitadas, até o momento, foram envolvidos 5.091 trabalhadores e 1.417 máquinas e equipamentos.